quinta-feira, setembro 08, 2005

O machimbombo



Os autocarros do grupo Mecula são semelhantes aos que circulam em muitas zonas rurais de Portugal. No interior a principal diferença é o facto de haver 5 assentos por fila em lugar de 4. Assim sempre cabe mais gente. Mas também não faz mal porque os macuas são pequenos. Outro pormenor a não desprezar é a questão de não haver lotação: o espaço mede-se em metros cúbicos e não em metros quadrados. Tivemos sorte porque na nossa viagem não ia ninguém de pé.
Os machimbombos do Mecula saem todos de Pemba às 5 da manhã, ainda antes de o sol raiar, e dirigem-se a Nacala, Nampula, Mueda e Mocimboa da Praia. Nós apanhámos o que se destinava a Nacala e descemos no cruzamento do Monapo para apanhar um chapa.
O propósito inicial da viagem era não ter de desembolsar os 250 euros por trajecto que nos pediam em Pemba para chegar à Ilha de Moçambique. Acontece que a viagem de machimbombo acabou por ser o momento mais especial destas férias. Está certo que acordar antes das 4 da manhã pode parecer violento mas o espectáculo proporcionado pelo nascer do sol em África foi grandioso. Sentiamo-nos a atravessar um lugar de fim do mundo e percebemos que não havia muitos estrangeiros a fazê-lo: não só fomos tratados com imensa cortesia pelo motorista e pela cobradora como éramos olhados pelos restantes passageiros como aves raras; os habitantes das aldeias onde parávamos olhavam-nos com imensa curiosidade e fartavam-se de rir do nosso aspecto!
Acabámos por pagar 140.000 meticais cada um pelo percurso Pemba-Monapo e mais 35.000 pelo chapa de Monapo até à Ilha. (NOTA: 1 euro = 30.000 meticais).

1 Comments:

Anonymous Daniel Silva said...

Ora viva!Acabei de ler "O machimbombo" e fez-me recordar a minha passagem embora efémera, muito sentida por Moçambique. Trabalhei durante 2 anos no Monapo-CªCajú do Monapo, como contabilista (1987/1989).Sem qualquer margem para dúvidas que se trata de uma terra fantástica. A aventura está a cada passo que se dá. Momentos mágicos como o nascer ou o pôr do Sol, enchem uma alma de luz, cor e sonho. Só visto!
Quanto ao metical não sabia que estava tão desvalorizado em relação ao euro.É a outra realidade de um país que ainda assim há-de afirmar-se tais as potencialidades que dispõe.
um abraço.

12:49 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home